Archive for abril, 2007

29/04/2007

We’ve got the dreamers disease!

29/04/2007

[+]  Passei o sábado inteiro sentindo um cheiro adocicado no ar… Vai entender. Hoje deveria ser dia de limpeza nesse computador. Tá uma bagunça. Andei organizando meus arquivos de música. No favoritos, só atualizei a pasta de blogs. E olha que me prometo desde as férias passadas colocar tudo em ordem.

[+]  Conheci o Mashable por causa de um texto do Machi no Thesis. Novidades interativas, dicas de sites… Bem interessante. Favoritos pra ti. Lá tem um texto sobre o Twitter. Curtinho, básico, mas esclarecedor. Fala um pouco da evolução dos blogs, desde 1999, como um diário virtual no seu sentido literal mesmo. Pessoas contando sobre o dia-a-dia (The things my cat did today). Depois fala do Flickr (Cat pistures!), passa pelo YouTube, em 2005 (Moving cat pictures!), e então apresenta o Twitter.

Tinha ouvido falar há pouco tempo sobre o Twitter. Acho que foi no ZHDigital. Acessei o link, dei uma olhada na página. Fiquei por ali, vendo o que os outros faziam. A idéia do Twitter é a seguinte: responder a pergunta What are you doing? São postagens rápidas, diretas, feitas por telefone ou internet contando o que está acontecendo no momento. Quem tem blog, pode colocar o link do Twitter no blog, então o que acontece é que, se a postagem do blog foi há algumas horas, agora se pode também estar mais atualizado ainda, sabendo o que a pessoa fez após atualizar o blog. Clica no Twitter. A internet, no geral, é isso. Cada vez mais as pessoas sentem necessidade de interagir no habitat online. Um blog, que posta sobre o Youtube, linca pro last.fm, que linca de volta pro blog, que tem uma entrada pro Flickr, pro Orkut, pro Twitter, que conta o que estou fazendo no exato momento.

Na real fiquei pensando por que não senti vontade de criar um perfil no Twitter, porque à primeira vista, parecia um negocinho legal. Mas a resposta veio logo: eu não vou me preocupar em ir lá e fazer minuto-a-minuto do meu cotidiano. Me incomodaria, pra falar a verdade. Achei instantâneo demais. Requer velocidade demais na interação. O blog é uma coisa tranqüila, flexível e prática, no ponto ideal. Mas se o blog já é considerado desatualizado em poucos dias, no Twitter, isso é uma questão de horas…

Evaporar

27/04/2007

“como se morrer
fosse desaguar
derramar no céu
se purificar
deixar pra trás
sais e minerais
evaporar”
(Rodrigo Amarante.
Evaporar)

Links novos

27/04/2007

Acrescentei ali no blogroll o Favoritos e o Olho de Hochelaga.

E na Cidade dos Sonhos, o site da Clube Silêncio. Acabou de ficar pronto.

: )

26/04/2007

me disseram que o frio ia chegar… eis que já vejo a ponta do nariz.

então nesse fim de semana eu vou ter café. cobertor. filme. trabalho (meu último dia no off!!). aniversário pra ir. resenha de direito e ética pra fazer. script de TV pra montar. chá de maçã com canela. a casa precisa ser varrida. e a louça, lavada. um bom livro pra ler. me indiquem, please. queria um assim, mais pesadinho, com um pouco de sarcasmo, algum crime, talvez um rubem fonseca. um pouco mais de loucura e menos razão. tem que ser um livro com cenários urbanos. que eu possa imaginar bem. “Pode ter sido qualquer pessoa. Pode ter sido você, Mandrake“. Boa idéia…

quem sabe um Nelson Rodrigues:

[“A maioria das pessoas imagina que o importante, no diálogo, é a palavra. Engano, e repito: – o importante é a pausa. É na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão”]

ou aquele que a Clara me emprestou e ficou no porta-luvas do carro dela? vou pedir.

por que eu ando deixando meu sono em último lugar e tudo parece ser mais interessante do que dormir?? Confesso. Mudar de trabalho está me deixando ansiosa. vou deixar a madrugada, trabalhar de dia, ganhar um pouco menos, mas dormir melhor, ler melhor, pensar melhor. vou estranhar não poder falar qualquer merda no meio da madrugada e ouvir algo pior, e alguém mais criativo falar alguma palavra suja, e ver a bola de neve aumentando, tudo pra fazer o sono passar. e uma tela de computador na minha frente com páginas e páginas de notícias.

acho que o tempo realmente é o centro de tudo. atropela tudo. e a gente tem que acompanhar a banda. Pensei nisso ontem, no ônibus, quando me dei conta de que já faz um mês que o Bruno morreu. Como o Luiz disse, os piores dias já passaram. Agora ficou a sensação de ausência, de falta alguém aqui, e de piada interna não correspondida. E daí eu fico pensando. E quando minha mãe morrer? E quando meu pai for? E se mais alguém próximo, muito próximo, resolver também ir pra longe? Dá medo. E nem tem como evitar. Vou ter que aprender a conviver com a ausência, sempre. e deixar o tempo passar, e eu me acostumar de novo a sair de casa com uma saudade a mais. pensamentos, só. deixa pra lá.

[antes da saudade, só tem seis palavras]


enfim, o inverno dá as caras. estávamos discutindo na aula de rádio, na segunda: eu gostaria tanto de morar em um país europeu, bem frio. “um desses estranhos, nada muito pop”, disse o maurício. pois é, eu queria a noruega, dinamarca…  claro que se me dissessem “tu vai pra londres agora” eu jamais recusaria. mas queria ver mais coisas inusitadas e incomuns. e aprender na prática. o céu daqui é o mesmo céu que cobre londres, mas o que vem debaixo dele, quanta diferença…

acho que vai ser um rubem fonseca. sexta procuro na biblioteca.

Eles vão dar um tempo

25/04/2007

A separação é por tempo indeterminado. Segundo a página oficial da Los Hermanos, não houve nenhum desentendimento nem nada que possa ter afetado a amizade entre os integrantes, “tanto que continuamos jogando truco toda a quinta-feira”. Cada um tem seus projetos, que ficaram engavetados durante os 10 anos da banda, e agora é hora de colocá-los em prática. Os dois últimos shows antes da pausa serão no Rio de Janeiro, nos dias 8 e 9 de junho.

Não gostei da notícia. Agora todo mundo fica se perguntando se é realmente uma parada temporária ou se eles vão seguir cada um com um trabalho solo e vão deixar a banda de lado definitivamente : (

“Eu escrevo e te conto o que eu vi
e me mostro de lá pra você
guarde um sonho bom pra mim”

24/04/2007

Minha irmã resolveu desenterrar meus CD’s da Legião. De tempos em tempos ela faz isso. E sabe, eles estavam bem esquecidos… Ouvi tanto, mas tanto, que enjoei. Bem, os fãs que me perdoem (e olha que eu tenho todos os CDs),  mas a voz do Renato Russo é enjoativa, sim. Ainda gosto, mas bem menos do que na adolescência. Legião me lembra sempre do primeiro menino com quem fiquei. Comecei a ouvir por causa dele e acabei gostando da banda. Eu tinha 14, ele 15. Bem carinha de guri, uma baita tatuagem de águia nas costas e camisetas que eu conhecia de longe. Na verdade era o mais feinho da turma. Eu não achava. “Tu tem gosto estragado”, diziam minhas amigas. Às vezes ainda dizem. “Me prendo em detalhes”, eu respondo.

Esses dias acordei e a Sara tava ouvindo “Sexo Verbal”, na versão que o Pato Fu fez:

“Feche a porta do seu quarto
porque se toca o telefone
pode ser alguém
com quem você quer falar
por horas e horas e horas

Tem coisa mais juvenil e boba e risonha do que isso? Nem desconfiava minha mãe que não era para ouvir música que eu fechava a porta do quarto.

Ah, esses surrealistas…

24/04/2007

…Eles estão por toda parte. Em um intervalo de poucas horas, três concepções sobre a vida:

“A vida não é um moranguinho” – ok. uma não-definição.
Regina Azevedo – contextomonografia

“A vida é uma doença sexualmente transmissível”.
Tales, Tails, o Raposa antropomórfica

“A vida é só o recheio, querida”
Ju Freitas – ironias, ironias

Alguém tem mais alguma?