You were right about the stars*

29/08/2008

Nem me lembro de quando vi uma estrela cadente pela última vez. Deve fazer tempo, o que me leva a pensar em duas possibilidades: ou o céu anda nublado demais ultimamente ou eu não tenho olhado para cima e sequer percebo a presença das nuvens, o que é muito mais incômodo. O hermetismo urbano me sugou.

Eu costumava sentar na frente de casa para ouvir música no volume máximo e olhar o céu a aproximadamente dez anos atrás, antes de vir morar em Porto Alegre. Lembro-me de já ter visto mais de um suicídio estelar (carregamos poeira de estrelas no corpo, portanto) na mesma noite, e de alguns pedidos feitos nessas ocasiões também. Que eu me lembre, nenhum realizado, diga-se de passagem, mas não tem problema. C’est La Vie. Eram alguma coisa entre adolescentes, ansiosos e apressados (rá, adivinhem. Se esses adjetivos andam juntos, MORRI, descobri que continuo na adolescência). Não, não morri. E nenhuma estrela cadente mudou a minha vida (intervenção literária: a Clarice Lispector, de quem eu sempre falo por aqui, tem dois livros com a palavra “estrela” no título, e não só nele. São A Hora da Estrela – pobre Macabéa – e Como Nasceram as Estrelas, que seria o ORIGINAL título deste post caso eu não estivesse com a música Jesus, etc, do Wilco, na cabeça há dias).

Pois bem, vim falar de estrelas porque há mais ou menos duas semanas a Nasa divulgou fotos de uma região a 170 mil anos luz. Trata-se da Nebulosa de Tarântula (na foto acima), uma região onde acontece o nascimento de novas estrelas. A imagem, por todas as suas cores, agora enfeita a minha área de trabalho, e o contexto disso me lembrou de que existe uma lenda mato-grossense que fala da origem das estrelas. Triste, como a maioria das lendas indígenas, mas muito bela. A história vem de uma tribo chamada Bororo, que habita ainda hoje o planalto central do Mato Grosso. Entre os índios Bororo é função dos homens caçar e pescar; cabe às mulheres da tribo tecer redes, produzir o artesanato e trazer para a aldeia alimentos de origem vegetal (assim como fazer o plantio destes).

A lenda:

Em uma certa tarde, enquanto os homens estavam na floresta, as mulheres da tribo saíram para procurar espigas de milho; queriam fazer bolos e pães para os maridos. Caminharam durante longo  tempo e só encontraram alguns pezinhos mirrados, com poucas espigas. No dia seguinte resolveram levar algumas crianças da aldeia para ajudá-las, e o resultado foi satisfatório. O número de espigas já era suficiente para a surpresa que fariam aos maridos. Porém enquanto transportavam as espigas, um menino roubou algumas  e levou-as para a avó: “Prepare um bolo para que eu possa dividi-lo com meus amigos”. A velhinha não sabia nada sobre a origem das espigas, e na companhia de seu amigo, um papagaio, prontamente fez a vontade do menino. Assim que o bolo ficou pronto, os meninos devoraram alegres os pedaços e farelos, sem deixar nenhum sinal da refeição. Depois de saciados, lembraram-se de que as espigas haviam sido roubadas, e ficaram com medo de que as mães os castigassem pela arte cometida. Resolveram então fugir para a floresta, mas antes disso tomaram precauções para que a velhinha e seu companheiro, o papagaio, não contassem nada às mulheres. Cortaram-lhes as línguas.

E assim correram em direção à floresta. No caminho encontraram um beija-flor. Os meninos pediram então para que o beija-flor voasse o mais alto que conseguisse, e amarrasse a ponta de um cipó no céu para que conseguissem subir. O pássaro fez como lhe haviam pedido, e enquanto ele voava, os meninos iam subindo, subindo, um a um, pelo cipó céu acima. Quando as mulheres voltaram para a aldeia e não encontraram os meninos, ficaram preocupadas e foram perguntar para a velhinha, que nada podia responder, pois já não tinha mais língua. As mulheres então começaram a procurar pelas redondezas, muito mais preocupadas em encontrá-los do que aborrecidas pelo roubo das espigas. Uma das mães viu, então, a ponta do cipó, ainda próxima do chão. Imaginando que os meninos haviam subido por ali, elas começaram a gritar, implorando para que os filhos descessem e voltassem à aldeia, mas os meninos continuavam subindo, e o beija-flor voava cada vez mais alto com a ponta do cipó no bico, em direção ao céu. Mesmo com todo o choro e as súplicas das mães, os meninos não voltaram. Assim, como castigo pela desobediência e ingratidão, foram obrigados, todas as noites, a olhar fixamente para a terra e cuidar de suas mães, que sofriam de saudade. E os olhos dos meninos, sempre abertos, tornaram-se as estrelas.

* * *

*Eis a música que originou o título do post, uma das minhas preferidas do Wilco. Acho que merecia um clipe melhor, sem egocentrismos visuais da banda e com um pouco mais de ficção, mas prestem atenção na letra e na melodia:

Anúncios

5 Respostas to “You were right about the stars*”

  1. Sara Says:

    Oie!
    Não conhecia essa lenda… muito bonita mesmo…
    Adorei o texto, como sempre…
    Beijocas


  2. me abri pro primeiro parágrafo. se terminasse ali, já estaria satisfeito. mas ainda bem que continuou, linda a lenda indígena, pouquíssima gente de fora do Mato Grosso deve conhecer. pode seguir nos ensinando =)

  3. Says:

    Lembro da última estrela cadente que vi… foi uma ótima (e rara) oportunidade de olhar pro céu à noite.
    Acho que a essência da coisa tá em pedir coisas de looongo prazo, daí a gente acaba não lembrando e segue acreditando que pode fazer pedidos…

    Ótimo o texto, me orgulho de ti :)
    beijo!

  4. ma Says:

    Esta é apenas uma das lendas…vou te mandar outras que sei e vc vai amar este mundo mágico que entramos ao conhecê-las…
    Muito lindo teu texto,filha…
    Beijão

  5. Suzana Says:

    Ai Cris lindo texto. Sabe até hj qdo vou pra São Gabriel gosto de ficar de noite na sacada olhando estrelas, lendo e conversando com a mãe. Aqui em Porto Alegre são poucos lugares onde consigo ver estrelas e mesmo assim as vezes acabo andando “mais cabeça baixa”. Estrela cadente só vi uma. Em compensação, já passei momentos ótimos apreciando um céu estrelado.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: