Archive for the 'Sinapses' Category

Dante

28/04/2008

Chegou e acenou de longe ao diabo. O lazarento nem era tão feio quanto descreviam. Vermelho, muito menos. O tridente já descascava na decadência. Virado em ossos, descarnado, o bicho acenou de volta e seguiu em frente.

Para mim, era só mais um dia de trabalho aos renegados.

Se ao menos uma alma desvairada dali merecesse perdão, mas não. Ali ninguém merece perdão. Eu dava-lhes uma oportunidade única de voltar à terra da misericórdia. E a cada chance oferecida recebia uma recusa pronta. A libertinagem e a alegria descomprometida do inferno sempre foram mais atrativas àqueles que as provaram.

O diabo aproximou-se do cristão, sentou-se ao seu lado e com voz rouca puxou papo:

É melhor reinar no inferno do que servir no paraíso, meu bom homem. Pensou na minha proposta?

Tinha ali atendimento psicológico?

Não. Mas e no inferno por acaso agora se oferece atendimento psicológico? Estás louco? Ser petulante. Minha terra é de ninguém, e por isso mesmo é minha. Nela se faz o que quer sem contar nem medir. Solidão aqui não existe. Não se vive sozinho no inferno. Isso é coisa daqueles que muito pensam e pouco fazem. Odeio existencialistas. Acham que sabem tudo. Apronta tuas palavras e dá-me tua alma de bom grado. Meu tempo é curto.

Sem sarcasmos, que não estou aqui a passeio, Lucifer.

Insistente na tarefa, o sujeito levanta-se, sem dar ouvidos à criatura que lhe cobra resposta e segue virtuoso. De tempos em tempos, ainda pisa em terras carrancudas para tentar resgatar as almas que ali se perdem pelo caminho.

Anúncios

27/07/2007

please me
please me

Vermelho

03/05/2007

Arte urbana. Logo ali, embaixo do viaduto da João Pessoa.

ver-me
vê-lo

 

Enfim, fotografei-a
talvez fosse minha parede favorita
embora não fosse minha, só minha
estava inerte, alheia, não era de ninguém
nem mesmo do mendigo que nela se aninhava
com o cobertor pulguento e a garrafa cúmplice
era minha. era caminho entre tantas outras paredes.
todas urbanas, frias, exibidas por sustentarem viadutos.
todas minhas.

Escreve direito!!

01/05/2007

Fim da picada ler coisas desse tipo: “eu axo dmaixxxx! vcs n tem noçaum do k eu to falandu”…

Ou eu to ficando velha, mas muito velha, ou…
Cadê o charme da boa escrita?

Ah, esses surrealistas…

24/04/2007

…Eles estão por toda parte. Em um intervalo de poucas horas, três concepções sobre a vida:

“A vida não é um moranguinho” – ok. uma não-definição.
Regina Azevedo – contextomonografia

“A vida é uma doença sexualmente transmissível”.
Tales, Tails, o Raposa antropomórfica

“A vida é só o recheio, querida”
Ju Freitas – ironias, ironias

Alguém tem mais alguma?

13/04/2007

“Há pessoas elegantes e pessoas enfeitadas”
Machado de Assis

11/04/2007

Só o que sobrou foram as pegadinhas estreitas carimbadas na areia. E o mar avançando sobre elas. Apagando uma por uma.

O livro de histórias ficou fechado naquela noite.

Nenhuma pergunta para ser respondida
Sem passagem secreta debaixo da cama
A hora do banho passou de fininho

Os dias foram preenchidos pelo barulho das moscazzzzzzzzzzz

E o soldadinho de chumbo, triste
Sem ter com quem brincar

01/04/2007

Dia da mentira. Conte-me uma verdade. Não quero saber de palavras voláteis.